Área do Criador
Como avaliar a adequação da proteína na dieta de rebanhos leiteiros através da amostra de leite do tanque.

Como avaliar a adequação da proteína na dieta de rebanhos leiteiros através da amostra de leite do tanque.

29/09/2014



Prezados Associados,

A proteína é um sólido do leite que temos poucas condições de manipulação do ponto de vista nutricional comparado com a gordura. Mas existe a possibilidade de manipulação! Modificações a curto prazo podem ser conseguidas desde que tenhamos condições operacionais e econômicas para implementá-las. Modificações na qualidade do volumoso, adequado balanceamento de proteína degradável e não degradável no rúmen (PDR e PNDR), fibra efetiva na dieta nas concentrações adequadas, adequada fermentabilidade de carboidratos na dieta são fatores que influenciam o teor de proteína do leite a curto prazo. A genética sem dúvida tem um peso importante, mas é uma alternativa de médio/longo prazo.

Uma ferramenta que permite aos técnicos e produtores verificar como está à dieta do rebanho em relação à adequação da proteína bruta é á análise de nitrogênio uréico no leite (NUL).  A análise do NUL pode ser realizada no leite do tanque de expansão com o objetivo de avaliar de maneira geral a nutrição proteica do rebanho. Valores esperados estão entre 8 mg/dl a 14 mg/dl.

O teor de proteína bruta na dieta é o fator com maior relação com NUL. Altas concentrações de NUL indicam um excesso geral de nitrogênio em relação a um determinado nível de produção de vacas e o contrário, baixas concentrações, indicam uma falta de nitrogênio.

Aumentar alimentos proteicos na dieta, ficando estes em excesso, pode ser negativo em vários pontos:

·          Econômico: a dieta fica mais cara. Os farelos proteicos são mais caros que os concentrados energéticos. E o excesso não aumenta leite nem teor de proteína;

·          O excesso de proteína deve ser excretado pela vaca. Isso possui um custo energético para o animal. Ela direciona energia que poderia ser utilizada para a produção de leite para a excreção desse excesso de nitrogênio;

·          O excesso de proteína pode interferir na eficiência reprodutiva do animal. O excesso de proteína na dieta está relacionado à diminuição do pH uterino e ovócitos de pior qualidade, dois fatores que diminuem as chances da vaca ficar prenha.

Por outro lado, a falta de proteína na dieta pode também limitar a produção de leite pela diminuição de precursores para a síntese do leite na glândula mamária.
 

Carlos Matheus Arantes Pereira
Técnico Agrícola

FONTE : rehagro.com.br


Fonte: Internet


outras notícias:

07/12/2023 - AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE REALIZAÇÃO DA 24ª EXPOSIÇÃO NACIONAL DO GIR LEITEIRO EXPOGIL 2024 PELA DI

06/11/2023 - Diretora Marketing Roberta Bertin participa de Seminário Internacional na Índia

06/10/2023 - ABCGIL lança site de ofertas para associados

28/09/2023 - Divulgação 6º Sumário de Fêmeas Gir Leiteiro e Resultado Genoma 2023


nossos parceiros




Site Oficial da Associação Brasileira dos Criadores de Gir Leiteiro
© todos os direitos reservados - ABCGIL 2015
ABCGIL - Associação Brasileira dos Criadores de Gir Leiteiro
Praça Vicentino Rodrigues da Cunha, 110
Parque Fernando Costa
38022-330 - Uberaba/MG